Entrevista | Lilian Mitsunaga: a melhor letrista do Brasil

Desde de que comecei a ler quadrinhos, por volta de 1984, eu tinha o hábito de ler os créditos de quem tinha contribuído nas histórias e na revista. Um dos nomes que sempre via por ali, era o nome da letrista Lilian Mitsunaga. Lilian começou sua vida profissional nos quadrinhos na redação Disney da Editora Abril em 1980.

Lilian Mitsunaga
Lilian Mitsunaga – A melhor letrista do Brasil

Depois se aventurou por todos os outros universos. Trabalhou praticamente com todos os principais personagens Marvel e DC. Na Vertigo: Sandman,Terminal City,Visões de 2020, 100 Balas, Os Invisíveis. Na Image: Spawn, Gen13, The Darkness e Wildcats! Conan, Asterios Polyp, Retalhos, Jimmy Corrigan – O Menino Mais Esperto do Mundo, The Authority, Planetary, Calvin & Haroldo, Torpedo, Cavaleiros do Zodíaco,Dylan Dog. Nossa… a lista é infinita!

Dinastia01Lilian é uma lenda dos quadrinhos e também a maior letrista do Brasil. Fato! Além da Editora Abril, Lilian também prestou serviços para a Cia das Letras, Conrad, Martins Fontes, VHD Diffusion, Veneta, entre outras!

Lilian continua ativa até hoje e em busca de novos universos para serem explorados. Isso se ela já não explorou.

Nessa entrevista, ela conta alguns detalhes de sua vida profissional, seus personagens e artistas preferidos.

Tapete vermelho estendido. Com vocês, Lilian Mitsunaga!!!

Você é natural de onde?
Nasci e cresci em Mauá, São Paulo.

classicos-de-walt-disney-em-quadrinhos-9-1980-ed-abril-22599-MLB20232302777_012015-F

Como e quando você começou a trabalhar como letrista?
Comecei a trabalhar com quadrinhos em 1980, quando cursava a faculdade.

Você se lembra de qual foi o primeiro quadrinho em que você trabalhou?
Lembro. Foi uma historinha de quatro páginas do Ursinho Pooh, que, na época, se chamava Puff. Recentemente, voltaram ao nome original, acho que por questões de merchandising e licenciamento. O mesmo ocorreu com a Minnie (agora com dois enes) e com Tinker Bell (Sininho).

Qual foi a primeira editora em que você começou a trabalhar?
Editora Abril, na redação Disney. Uns anos depois, comecei a trabalhar para a redação de heróis e o primeira HQ que letreirei lá foi justamente o Batman.

001Você costuma guardar ou colecionar as HQs em que trabalha?
Guardei tudo o que eu letreirei durante mais de 20 anos, mas, morando em apartamento, inevitavelmente tive que selecionar aquilo o que eu realmente queria guardar e acabei me desfazendo de uma parte. Se eu tivesse um galpão, guardaria tudo, com certeza. Mas não deu…

Você trabalhou com praticamente todos os personagens Marvel e DC. Você tem algum preferido?
Meu herói preferido sempre foi o Batman (nos quadrinhos). Mas acho que, na telona, ele sempre ficou devendo… Acredito que deram mais visibilidade aos vilões. Também gostava do Demolidor e gostei bastante de ter feito a revista do Wolverine.

Na época da Editora Abril, as letras eram feitas à mão, correto?
Como foi a transição para o digital e como isso aconteceu?

Correto. As letras eram feitas à mão, com nanquim, canetas e penas. Era um trabalho minucioso que demandava tempo e proporcionava muitos calos e muitas manchas de tinta nas mãos… Quando os primeiros computadores (os Macs da série Quadra) começaram a aparecer, muito se falou… Tinha o pessoal que gostava de aterrorizar os letristas, dizendo que era o fim de uma era, que seriam todos substituídos pelos editores, assim como os coloristas. Afirmavam que os próprios editores colocariam os textos nos balões e que todos os letristas seriam dispensados. Comprei meu primeiro Mac em 1996 e comecei a me familiarizar com os programas e fontes. BATMANOCAVALEIRODASTREVAS
No começo, achei que era um bicho de sete cabeças, como toda novidade. Com o tempo, comecei a achar que aquela parafernália toda era muito legal. Hoje acho que não tive dificuldade em fazer a transição, mas, na época, eu não tinha essa certeza. Era tudo muito novo, a Internet estava começando e a conexão era muito lenta. Tínhamos que entregar todo o trabalho pessoalmente em discos Zips e Jaz. Os gravadores de CDs vieram em seguida. Não posso reclamar hoje… Com Internet via fibra óptica, tudo ficou muuuito prático e rápido! Adeus, calos e sujeira nas mãos!!!

A Editora Abril tinha o hábito de cortar algumas páginas na época dos formatinhos. Isso acontecia pela redução do formato? De alguma forma, isso interferiu no seu trabalho ou não?
Acho que um dos editores da época responderia melhor do que eu essa questão dos cortes. Pelo que sei, a turma que programava as HQs tinha um trabalhão para manter a cronologia e nem tudo o que era publicado lá fora era publicado aqui. Então alguns personagens não deveriam aparecer porque ninguém os conhecia. Peço perdão se eu estiver falando 65031_ggbobagem, mas acho que era isso. Claro, havia algumas questões morais que pontuavam um corte ou outro… Enfim, acho que isso renderia uma discussão interminável pra quem gosta de polemizar. Não é meu caso. Os cortes não interferiam no meu trabalho, não. Só que eu terminava mais rápido, né?

Qual foi o trabalho mais difícil que você fez até hoje?
À mão, acho que foi A Letra Escarlate, um clássico da Literatura. No formato digital foram dois: O Menino Mais Esperto do Mundo e Asterios Polyp. O primeiro porque, apesar de ser digital, o autor fez um arquivo para cada cor de texto… Então tinha vários arquivos compondo uma página. O arquivo do preto e o arquivo de cores eram os mínimos. Se tivesse neve na cena, havia mais um arquivo em preto com a cor invertida para branco sobrepondo os dois anteriores. E, para cada plaquinha colorida, outro arquivo em preto, invertido na cor que ele indicava. Podia ser vermelho, laranja, azul… Numa só página podia-se ter uns seis ou sete arquivos e deu um certo trabalho retocar e trocar esses textos todos. O segundo não foi difícil, foi trabalhoso pela quantidade de fontes que tive que desenvolver a partir da caligrafia do autor. Foram 15, no total. Mas adorei fazer todos.

revistas-animal-grandes-aventuras-2-5-6-7-7a-e-8-14198-MLB4270251258_052013-FVocê fez trabalhos na revista Animal. Por que você usou pseudônimo?
Ah, eu era contratada da Editora Abril e não poderia trabalhar pra editoras concorrentes. Como o pessoal me procurava pra fazer um trabalho avulso ou outro, tive que usar pseudônimo para não ter problemas com minha contratante.

Você gostava do estilo da revista?
Eu gostava, sim. Acho que o Vincent(Henry) e o Rogério(De Campos) se esforçavam bastante pra fazer uma revista diferente na época.

Como é a sua rotina de trabalho hoje em dia?
Continuo trabalhando principalmente para a Editora Abril, pelo Lua Azul. E faço alguns trabalhos para outras editoras, como Martins Fontes, Casa da Palavra (Game of Thrones), DCL e Boitempo. Fiz muita coisa pra Cia. das Letras também. Trabalho todos os dias, mas não viro mais as noites como na época das letras à mão. Acho que não consigo mais viver sem Internet e sem computador… Acho que ninguém, né?

LV244779_NDas histórias nas quais você trabalhou, qual foi a que você mais gostou?
Pergunta difícil! Foram muitas… Gostei de fazer Cavaleiro das Trevas, todas do Batman, Demolidor, Wolverine, Conan… Mais recentemente, o Retalhos e Habib, do Craig Thompson. E não posso esquecer das HQs do Carl Barks e Will Eisner. Fiz tanta coisa legal que certamente vou esquecer de falar de alguma…

Você tem algum artista em especial?
Também é difícil essa resposta… Mas gosto muito do Frank Miller e do Jim Lee. Adorava as mulheres desenhadas pelo John Buscema também!

Você participou do último festival do Guia dos quadrinhos. Você costuma frequentar eventos de quadrinhos? Qual a sua opinião sobre esses eventos?
Acho esses eventos muito legais. Não vou a tantos quanto gostaria, por causa do tempo e da distância. Fui ao lançamento da Sailor Moon e adorei o concurso de Cosplay. Acho muito divertido e tem tudo a ver com o que faço, né? Diversão.

Lilian, foi uma honra obrigado pela oportunidade.

colunista_AlexandreMorgado
Alexandre Morgado
Coleciona quadrinhos desde sempre, ama John Byrne e mais uma penca de artistas!!!

5 comentários em “Entrevista | Lilian Mitsunaga: a melhor letrista do Brasil

  1. Lenda!Sempre via o nome dela nos expedientes saudade da época do formatinho comprado na feira de usados…Tempo de dureza comprava um gibi e devorava em minutos hj com a correria da vida to com mais de 30 pra ler…

  2. Nossa, lembro que na 8ªsérie eu e um amigo fazíamos quadrinhos e colocavamos

    “Roteiro e Arte: Gustavo Campello & Felipe Marconatto
    Letras: Lilian Mitsunaga, Claro!”

    Kkkkkkkkkk

    Mito! Legendária! Ícone!

  3. Então foi essa a pessoa que fez as letras de Asilo Arkham? Por que a Panini não chamou ela pra fazer a Edição em capa dura? O Letreamento digital que les fizeram ficou horrível.

Deixe uma resposta