01-07-2015

Por

As 50 melhores HQs do Homem-Aranha [30 – 26]

Spider-DitkoOlha aí! Chegamos à metade do ranking das histórias mais legais do Amigão da Vizinhança. E como diria Johnny Storm, o negócio tá pegando fogo!

Muita gente adorou – e até sentiu-se aliviada – ao constatar que “Expedição à Terra Selvagem” marcou presença na última postagem. Ora, alguém achou mesmo que eu deixaria de fora esse clássico de Roy Thomas e Gil Kane?

Falando em Kane, ele também foi lembrado com carinho pelos leitores que curtiram “O que aconteceria se Gwen Stacy não tivesse morrido?”, uma HQ que comoveu todo mundo – quase tanto quanto a história da morte da loirinha.

Mas não podemos dizer o mesmo de John Romita JR. No Facebook, o filho do lendário Romitão vem sofrendo duras críticas por causa de seu desempenho artístico atual.

30BestSpider30ª – OS EXECUTORES!
[Amazing Spider-Man 10]
Um dos aspectos que mais gosto no “universo” do Aranha é o seu microcosmo mafioso, pois os personagens inseridos nele são todos interessantes e sempre renderam ótimas histórias. É o caso, por exemplo, de Os Executores, um trio barra-pesada formado por Fancy Dan, Montana e Touro, que agiam sob as ordens do Maioral, o chefão do submundo. Jameson queria provar que o Maioral era o Aranha disfarçado, enquanto o herói tinha convicção que o vilão era o editor do Clarim. Os dois caem do cavalo quando a polícia revela que o Maioral era o repórter Frederick Foswell, um sujeito raquítico e meio apagado que vivia levando bronca de Jameson. Quando assumia o papel de Maioral, Foswell usava sapatos com plataforma e enchimentos na roupa, pra parecer um homem grande e forte. Um genuíno conto policial repleto de revelações: da parte de Flash Thompson, que demonstra preocupação pela segurança do desafeto Peter Parker e, principalmente, ao final, quando Jameson admitiu sentir inveja da coragem e desprendimento do Homem-Aranha. Era a Marvel revolucionando os quadrinhos; presenteando os leitores com personagens críveis e tridimensionais. Autores: Stan Lee (roteiro) – Steve Ditko (arte).

 

29BrstSpider29ª – PARA SE TORNAR UM VINGADOR!
[Amazing Spider-Man Annual 3]
É normal você topar com vários memes na internet que brincam com a vontade do Homem-Aranha fazer parte dos Vingadores. O que talvez muita gente não saiba, é que esse lance é bem antigo na mitologia do Cabeça-de-Teia (precisamente, de 1966) e que, na realidade, foi a equipe que quis recrutá-lo às suas fileiras. Mas para se integrar aos Vingadores, o Aranha teria de trazer o Hulk. Sem ouvir o resto da explicação, o herói parte ao encalço do Golias Verde. Após uma luta violenta, Hulk volta a ser o frágil Dr. Banner. O aracnídeo viu que ele não era mau, e que sua situação merecia mais pena que punição. Ele volta sozinho ao QG dos Vingadores apenas para dizer que não traria o Hulk, e vai embora. Os heróis mais poderosos da Terra não têm a oportunidade de dizer que só queriam ajudar o Hulk. Mais tarde, em sua casa, um Peter Parker de semblante triste, lamenta a oportunidade perdida de integrar os Vingadores e de ser visto com bons olhos pela população. Autores: Stan Lee (roteiro) – John Romita, Don Heck e Mike Esposito (arte).

 

28BestSpider28ª – O TAMANHO DE UM HOMEM!
[Marvel Team-Up 68]
A Marvel Team-Up trazia encontros do Aranha com outros heróis da Marvel, e uma das fases mais empolgantes foi produzida pela dupla Claremont/Byrne – a mesma responsável pelo sucesso de Os Novos X-Men, a partir do final dos anos 1970. A minha preferida é esta, que mostra o Aranha salvando o Homem-Coisa de um dono de circo inescrupuloso, apenas para serem lançados nos pântanos da Flórida, em meio a uma disputa entre o demônio Desespero e o mago Dakimh (e sua discípula Jennifer Cale). A batalha ocorre aos pés de uma torre repleta de símbolos místicos – como a pirâmide e o Olho-Que-Tudo-Vê – que confere a Desespero o poder de transformar a realidade conforme seu desejo maligno. Com um simples toque de sua mão, o vilão faz o Aranha se ajoelhar de medo. Mas quando a fera de lama tenta salvar o herói e é queimado vivo, o Aranha renega o pavor forçado que o domina, enxuga as lágrimas que escorrem por dentro de sua máscara, e surra de maneira brutal seu oponente. Desespero descobriu, a duras penas, que ao semear vento, colheu tempestade. Autores: Chris Claremont (roteiro) – John Byrne e Bob Wiacek (arte).

 

27BestSpider27ª – A VOLTA DO GATUNO*
[Amazing Spider-Man 93]
Nós temos de dar a mão à palmatória, Stan Lee era um mestre na arte do soap opera. Aliás, este é um dos segredos do sucesso do Universo Marvel em seus primórdios: a mistura desavergonhada de ação, aventura e melodrama – de fazer ruborizar nossos melhores autores de telenovelas. Na verdade, o que menos tem importância aqui é a tal “volta do Gatuno” – diga-se de passagem, um personagem com um visual interessante o suficiente pra inspirar Todd McFarlane na criação do seu Spawn. Tudo que norteia essa HQ é o relacionamento amoroso e complicadíssimo de Peter Parker e Gwen Stacy. O pai da moça morrera dias antes, e seus tios, preocupados, convidam a garota pra morar com eles lá na distante Inglaterra. Afinal, não há mais nada que a prenda na América, exceto Peter. Tudo o que ela quer é que o seu amado peça-lhe pra ficar. Tudo o que ele quer, é que ela fique. Mas quando Gwen diz que seu amor por Peter é ainda maior que o ódio que sente do Homem-Aranha – aquele a quem ela culpa pela morte do Capitão Stacy -, só resta a Peter declinar, já que não poderia revelar seu segredo à namorada, enquanto não limpasse a barra do aracnídeo com as autoridades. No desenrolar dos acontecimentos e dos desencontros, o leitor testemunha um desesperado Peter Parker correndo até o aeroporto, na tentativa de impedir que sua amada vá embora. Mas era tarde demais… Autores: Stan Lee (roteiro) – John Romita (arte).

 

26BestSpider26ª – AS GARRAS DO GATO
[Amazing Spider-Man 30]
Esta HQ é de suma importância, pois cumpre um papel de divisor de águas na mitologia do aracnídeo. Assim como aconteceria anos depois, em “A volta do Gatuno”, aqui o Aranha enfrenta também um inimigo menor dentro de uma trama maior impregnada de romantismo – ou melhor, de corações despedaçados. Formado há pouco no colegial e prestes a ingressar na vida universitária, Peter se vê cada vez mais pressionado a tomar um posição séria em relação a namorada Betty Brant. Há tempos Betty era cortejada pelo almofadinha Ned Leeds, um jornalista do Clarim. Ao saber que Ned pediu Betty em casamento, Peter conclui, de maneira afobada, que é hora de contar a moça que ele é o Aranha, para, em seguida, pedi-la em casamento. Mas assim que toca no nome do herói, Betty diz que jamais se casaria com um aventureiro, e que homem perfeito pra ela seria alguém pacato e responsável como Peter. É quando a ficha cai para o sofrido sobrinho de Tia May: ele jamais poderia oferecer a Betty aquele tipo de vida, e então dá um fim ao namoro da maneira mais ríspida possível, deixando Betty sem entender nada. O destino reservava caminhos distintos a ambos, e a cena final delineada pelo desenhista Steve Ditko, deixava bem claro, que a sombra do Homem-Aranha jamais permitiria que se cruzassem de uma maneira definitiva outra vez. Autores: Stan Lee (coplanejamento e diálogos) – Steve Ditko (coplanejamento e arte).

 

Nota: As cinco HQs citadas nesta postagem são comentadas com maior profundidade e trabalho de pesquisa – e entremeadas por depoimentos dos próprios autores – em meu novo livro A ERA MODERNA DOS SUPER-HERÓIS, a ser lançado em breve pela HQM Editora.


Roberto Guedes
Guedes Manifesto

Deixe uma resposta