A volta do Príncipe Valente!

Mesmo com a forte crise nas bancas e na distribuição, a editora Planeta Deagostini lança a coleção Príncipe Valente, criação de Hal Foster, acertando no conteúdo e na qualidade de um quadrinho que marcou época e ainda encanta quem o lê nos dias de hoje.

 

A crise que abala o mercado de quadrinhos no Brasil, causada pela falência de grandes editoras e distribuidoras como a Abril, abalou à toda uma cadeia de funcionamento que imperava no país. As principais vítimas dessa crise, mais até do que os leitores e livrarias, foram as bancas de jornais, que tiveram o seu número reduzido devido aos problemas de distribuição de quadrinhos por todo o território brasileiro.

Além de ter que lidar com o problema do envio dos quadrinhos, as mesmas tinham que competir com as lojas on-line e seus descontos agressivos, que afastou muitos clientes de seu convívio.

Esse é um cenário muito distinto do agora distante 2013, quando a editora Salvat trouxe a sua Coleção de Graphic Novels Marvel, a famosa coleção capa preta. Contando com 60 edições iniciais, que se expandiram rapidamente para 135 números, essa coleção foi seguida por outras, como Os heróis mais poderosos da Marvel, A coleção definitiva do Homem-Aranha, A Espada Selvagem de Conan (que nunca passou da fase de testes) e Tex Gold.

Ao lado das coleções da Salvat, a Eaglemoss investiu em coleções da DC e a Planeta Deagostini trouxe uma luxuosa coleção de Star Wars.

Mas a crise chegou para essas coleções, levando a Salvat ao cancelamento de quase toda a sua linha de publicações, alegando problemas justamente com a distribuição de seus produtos.

Nesse mar de notícias ruins para donos de bancas e leitores de quadrinhos foi anunciado ainda em 2018 a coleção de Príncipe Valente pela Planeta Deagostini, e é esse material que chegou em todas as bancas do Brasil no último mês.

Contando com uma edição nº 01 convidativa, ao preço de R$ 9,90 iniciais (prática comum aos volumes inaugurais das coleções), chama atenção não só pelo seu belo acabamento, que conta com capa dura e uma bela lombada em tecido, mas, sim, pelo seu excelente conteúdo.

O prefácio dos editores e o texto – A PRIMEIRA GRANDE HQ ADULTA, de Álvaro Pons, já chamam atenção do leitor para esse nº 01, fazendo-o perceber que está diante de um quadrinho diferenciado e marcante.

De fato, quando lembramos que a aventura do Príncipe foi publicada inicialmente em 1937 em tiras de jornal, sendo anterior em 01 ano do lançamento do Superman, que levou os quadrinhos a sofrerem um boom de vendas nos anos 1940 e 1950, e, ao analisarmos a qualidade superior do roteiro e dos desenhos de Hal Foster aos títulos da época, percebemos que todos os elogios dessa grande saga são merecidos.

Na edição, que compila toda a publicação de 1937 das histórias do Príncipe que saíram nos EUA em tiras de jornal dominical, temos uma história bem construída, com uma progressão clara do amadurecimento de um herdeiro de um rei que chega à Grã-Bretanha, lar do Rei Arthur, após ser expulso de suas terras.

Cada página da história corresponde à uma tira de jornal da época, com um pequeno resumo no começo de cada e um gancho para a progressão da história na página seguinte. Não pense o leitor que isso torna a leitura enfadonha, com excesso de recordativos.

Não, o texto de Foster é muito hábil ao lidar com essa grande história, não fazendo com que o quadrinho se torne datado como tantos outros. Vemos a chegada do Príncipe na Grã-Bretanha, o acompanhamos aprendendo a viver nesse novo mundo, aperfeiçoando suas habilidades, encontramos os cavaleiros da Távola Redonda e vemos como isso vai moldando o carácter do personagem principal, que é falho e tem muito a aprender ainda, mas usa de sua inteligência e de seu bom carácter para sobreviver.

O texto, por opção de Foster, não é colocado na história em balões de falas, recurso tradicional dos quadrinhos, já que o autor entendia que isso prejudicaria a arte. Na verdade, a narração e os diálogos transcorrem abaixo ou ao lado das imagens, não prejudicando-as, fazendo o leitor prestar atenção no belo e detalhista trabalho de Hal Foster.

É um prato cheio para aqueles que gostam de ficar encarando a arte de uma hq, em especial porque a edição da Deagostini veio totalmente colorida.

A edição nº 01 da Planeta Diagostini merece muitos elogios, não só pelo seu acabamento gráfico, mas pelo seu zelo editorial. Contando com um prefácio e um estimulante texto de abertura, a edição ainda conta com um fascículo, uma galeria de imagens dos desenhos de Foster e um bom trabalho com a arte e o texto de Príncipe Valente.

É claro que o preço convidativo de R$ 9,90 não se mantém nas edições futuras, quando passará a custar R$ 44,90. E manter uma coleção assim, que terá 82 edições, é um trabalho dispendioso, reservado a poucos leitores com alto poder aquisitivo. Mas ter essa primeira edição tão caprichada já é um alento para o leitor casual.

Com esse volume em mãos, o leitor pode conhecer o começo de uma grande história que marcou época e é reverenciada até hoje, pelo sua excelente arte e roteiro. Tudo isso em uma edição caprichada e com preço atrativo.

A torcida é grande para que a coleção logre êxito, mas os autos preços das edições posteriores podem afastar o leitor comum da obra máxima de Hal Foster.


FICHA TÉCNICA
• Capa dura, com 76 páginas
• Editora Planeta Deagostini
• Lançamento em abril de 2019
• Preço de capa: R$ 9,90
• Tamanho: 22,5 x 30,5 cm

NOTAS
Roteiro: 9;
Desenhos: 10;
Narrativa: 9,5;
Edição: 10.
Nota Final: 9,6

 

 

 Thiago Ribeiro
https://www.instagram.com/diariodanonaarte/
Advogado desde 2012, mas colecionando HQs desde 1998.
Comics, mangás e fumettes, a leitura de quadrinhos é prazerosa em todas as formas.